16 de setembro de 2022

Entrada




Retrato do poeta, c. 1570,por Fernão Gomes (1548-1612)



Luís de Camões (c.1524 – Lisboa, 10.06.1580), tendo escrito em língua portuguesa e castelhana, é um dos maiores escritores do mundo. A sua personalidade tem inspirado inúmeros biógrafos e historiadores. Desde o Classicismo até à contemporaneidade, “o engenho e arte” manifestados pelo poeta na sua epopeia Os Lusíadas (1572) e nos seus poemas líricos das Rimas (1595) têm fascinado o leitor comum e o especializado, proporcionando extensa e diversa receção crítica, glosas de homenagem e criativa recriação. Em todas as épocas, contínuas gerações têm admirado a sua obra e nela encontrado o eco ou o desvelar dos seus próprios sonhos e anseios. Como referiu o camonista Vítor M. Aguiar e Silva, “Camões é um clássico que tem sido moderno ao longo dos séculos”.

Edição de: José Carlos Canoa
© Reprodução livre com menção da fonte. Exemplo.



Pode navegar pelas suas múltiplas facetas através das páginas aqui apresentadas:

A sua vida divulga informação e recursos sobre a biografia do poeta.

A sua obra mostra inicialmente as obras camonianas arrumadas por género (lírica, épica, teatro, cartas) e, dentro de cada género maior, fornece os textos dos subgéneros. No final, providencia-se a ligação para as Obras digitalizadas de Luís de Camões na Biblioteca Nacional de Portugal.

A época apresentará ligações para os grandes movimentos culturais e filosóficos que modelaram o tempo histórico de Camões; a influência de autores espanhóis e italianos; autores contemporâneos de Camões.

Testemunhos consiste numa antologia de excertos de consagrados camonistas sobre a vida e a obra de Camões.

Fortuna crítica contém listas de referências (bibliografia passiva) sobre a vida e a obra de Camões: receção crítica (coleções camonianas, ensaios, teses académicas, atas de encontros, artigos de periódicos e números temáticos, etc.); receção criativa (obras literárias e artísticas inspiradas em Camões) e traduções noutras línguas.

Multimédia abre-se ao diálogo intertextual da obra camoniana com as artes: Iconografia, Cinema, Música, etc. Pode ser uma aliciante porta de entrada no universo literário de Camões.

Recursos didáticos disponibiliza "materiais" (fichas de trabalho, resumos, esquemas, documentos históricos, etc.) que podem orientar o estudo da obra camoniana de acordo com os Programas e  Metas Curriculares de Português. É um auxiliar do ensino (para professores) e da aprendizagem (para os alunos) no que concerne a leitura dos textos líricos e da epopeia Os Lusíadas. Apresentam-se algumas referências bibliográficas e da Internet.

Utilitários reúnem informação prática e útil. São “ferramentas” de apoio ao navegante: Contactos; Mapa do blogue (um índice mais pormenorizado das principais secções do blogue); Siglas e Abreviaturas (utilizadas sobretudo nas referências bibliográficas); Glossário (de estudos literários, antropónimos, topónimos e vocabulário específico da obra e da época de Camões); Cursos de Estudos Camonianos; Notícias (Informação periódica recente, disponibilizada online).

Efemérides apresenta as datas celebrativas de Camões (os centenários, os "Ano Camões") ou importantes para os Estudos Camonianos.


Ciclo de conferências e debates celebrativos dos 450 anos de "Os Lusíadas", pela USP / Brasil



Os Lusíadas - 450 anos

22 e 23 de setembro de 2022

No canal Youtube oficial da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP

ou como ouvinte, em sessão online, sob subscrição através do email oslusiadas.450@gmail.com 


Organizadores:

Prof. Dra. Adma Fadul Muhana (USP)
Prof. Dr. Jean Pierre Chauvin (USP)
Prof. Dr. Marcelo Lachat (UNIFESP)
Prof. Dra. Sheila Moura Hue (USP)





Os Lusíadas de Luís de Camões completam em 2022 450 anos de sua primeira publicação, em 1572. Em comemoração desta importante data e visando abranger a receção crítica da obra na contemporaneidade, este evento da USPFFLCH apresenta um conjunto de conferências e debates, numa multiplicidade de abordagens: literária, filológica, educacional, de tradução.



PROGRAMAÇÃO




Programação: 22.09.2022 (quinta-feira)


MANHÃ

Mesa 1: Filologia e História do livro [a epopeia camoniana]

Horário: 10h-11h30. / ligação no Youtube: https://youtu.be/zxQwm18YghY
  • David Jackson
  • André B. Penafiel
  • Mediação: Sheila Hue

TARDE
 

Mesa 2: Traduções d’Os Lusíadas

Horário: 14h-15h30 / Ligação do Youtube: https://youtu.be/CjyOqp9EhvM

Mesa 3: Falar d’Os Lusíadas no século XXI

Horário: 16h-17h30 / Ligação do Youtube: a mesma.




Programação: 23.09.2022 (sexta-feira)


MANHÃ

Mesa 1: Os Lusíadas e as épicas americanas

Horário: 10h-11h30 / ligação no Youtube: https://youtu.be/ZjxFQ8NfZhQ
  • Verônica Prudente Costa
  • Paul Firbas
  • Mediação: Marcelo Lachat

TARDE

Mesa 2: Os Lusíadas e África

Horário: 14h-15h30 / ligação do Youtube: https://youtu.be/mdkH8vb9SBY
  • Lourenço do Rosário
  • Mediação: Jean Pierre Chauvin

Mesa 3: Outros Lusíadas

Horário: 16h-17h30 / Ligação do Youtube: a mesma.
  • Christina Bielinski Ramalho
  • Stélio Torquato Lima
  • Mediação: Maria Aparecida Ribeiro





13 de setembro de 2022

Camões e a pandemia do século XVI


Camões e a pandemia do século XVI

Videoconferência

30 de setembro de 2022, às 21h30 (hora de Portugal)


Org. CEM - Centro de Estudos Mirandinos





O Centro de Estudos Mirandinos (CEM) irá realizar a videoconferência intitulada “Camões e a pandemia do século XVI”, que será proferida pelo Professor Felipe de Saavedra, camonista, historiador, professor e diretor da Rede Camões na Ásia.

A inscrição é gratuita mas obrigatória através do link https://forms.gle/88crEn5hTshpVJby9 ou através dos contactos do CEM (cem@biblioamares.pt ou 253995182)

A conferência realizar-se-á através da plataforma Zoom e o link da sessão será enviado por e-mail a todos os participantes na semana que antecede a conferência.







12 de setembro de 2022

Um dos maiores fascínios dos Estudos Camonianos é a pluralidade das suas vozes, destaca Vítor Aguiar e Silva










Vítor Aguiar e Silva (1939-2022)



“Camões e a sua obra foram sempre objeto de análises e interpretações diversas, divergentes e muitas vezes contrapostas e é esta pluralidade de vozes filológicas, poetológicas, críticas e hermenêuticas que constitui um dos fascínios maiores dos estudos camonianos. Não se trata de anular o conceito de verdade, nem sequer de o relativizar radicalmente, mas tão-só de reconhecer que a complexidade formal e semântica da poesia de Camões convoca legitimamente diversas propostas de compreensão, explicação e valoração, exigindo dos camonistas um rigor acrescido na fundamentação, na argumentação e na explanação das suas análises filológicas, histórico-literárias, críticas e hermenêuticas.”



Fontes:
Vítor Aguiar e Silva - Apresentação (excerto) de Dicionário de Luís de CamõesCoord. Vítor Aguiar e Silva. Alfragide: Caminho, 2011.
Fotografia de Universidade do Minho/DR.


11 de setembro de 2022

O que se sabe da vida de Camões, o que se desconhece e porquê, segundo José Guilherme Calvão Borges


José Guilherme Calvão Borges
n. em Chaves, 10.03.1931 – f. em Lisboa, 25.04.2001
Militar, heraldista e camonista






Estudos camonianos

  • 2002 – A família de Camões: o que se sabe, o que se desconhece e porquê, Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol IX, Angra do Heroísmo, 367-382.
  • 1997 – Genealogia dos Camões Flavienses, Aquae Flaviae, 17 (1997), p. 131.
  • 1994 – Heráldica flaviense, in Actes du XXIe congrès International des Sciences généalogique et Héraldique, Luxembourg: Assoc. Lux. de G. et H., 367-388
  • 1989 – Genealogistas e genealogias flavienses, Aquae Flaviae, 2 (dez. 1989), Chaves, 85-110.
  • 1989 – Camões e Chaves, Aquae Flaviae, 1 (1989), Chaves, 95-104.
  • 1986 – A família de Camões: novos documentos, Miscelânea Histórica de Portugal, 5, Cascais. – [20 p.].
  • 1981 – Genealogia dos Camões flavienses, in I Colóquio Galaico-Minhoto, Ponte de Lima: 276-337. / V. ed. 1997.
  • 1979 – Heráldica dos Camões Flavienses, Armas e Troféus, 4.ª série, 1, Instituto Português de Heráldica. – [20 p.].
  • 1978 – Os Camões Flavienses, Armas e Troféus, 7, Lisboa: Instituto Português de Heráldica. – [12 p.].
  • 1974 – A família flaviense de Camões, Arqueologia e História, 5. Lisboa: Real Associação dos Arquitectos Civis e Arqueol. Portugueses. – [75 p.].



Retrato de Luís de Camões, com o brasão da família, por Humberto Mendes


Plaqueta dedicada a Luís de Camões (s/d)

Anverso: Retrato de Luís de Camões, a partir do seu retrato a sanguínea da autoria de Fernão Gomes.
Reverso: Brasão da família Camões decorado com paquife.

Autor: Humberto Mendes.
Metal: Bronze, 75x92mm, 411g.





2 de setembro de 2022

Era uma vez … Pedro e Inês - visita guiada organizada pela C.M. de Coimbra

Pedro e Inês na Quinta das Lágrimas
imagem do filme de António Ferreira, apresentado em 2018


Era uma vez … Pedro e Inês

Dia 1 Setembro | 15h00


"Visita guiada aos espaços evocativos dos amores de Pedro e Inês, cujo tema histórico se manteve vivo no imaginário colectivo, ao longo de séculos, através da sua lenda. 

A Quinta das Lágrimas, cenário dos amores proibidos do príncipe D. Pedro e de D. Inês de Castro, inspirou Luís Vaz de Camões na obra maior da literatura portuguesa, Os Lusíadas, perpetuando no tempo os encontros e desencontros deste lendário amor. 

Episódio ímpar da história de Portugal que melhor define o sentimento português, traduzido na palavra Saudade, e que tantos autores inspirou nas diferentes áreas artísticas, como seja: a literatura, a música, a escultura, a pintura, a arquitetura, entre outros.

Com esta visita guiada, Coimbra mostra-se uma vez mais como lugar central na história de Portugal ao perpetuar o lendário amor e o seu romantismo, envolvendo o visitante num dos mais belos episódios de amor da história universal, potenciando e valorizando desta forma alguns dos mais emblemáticos lugares desta cidade.

Esta visita é gratuita sendo o ponto de encontro na entrada de visitantes na Quinta das Lágrimas (Rua José Vilarinho Raposo)."



Fonte:
Coimbra. Câmara Municipal - Câmara Municipal de Coimbra promove quatro visitas guiadas em Setembro, in Campeão das Províncias : Semanário no Papel - Diário Online, 30.08.2022.




27 de agosto de 2022

Camonista - José Carlos Seabra Pereira






José Carlos Seabra Pereira, n.1949
Professor universitário, investigador, camonista.


José Carlos Seabra Pereira é licenciado em Filologia Românica (Univ. de Coimbra) e doutorado pelas universidades de Poitiers, França (1983) e Coimbra (2000).
Trabalhou como professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e da Universidade Católica; foi professor convidado no Instituto Politécnico de Macau. Investiga e leciona nas áreas de Teoria Literária e Literatura Portuguesa Moderna (Decadentismo, Simbolismo, Neorromantismo), de Estudos Camonianos e de Estudos Pessoanos (Modernismo).
Coordenador Científico do Centro Interuniversitário de Estudos Camonianos é também vice-diretor da luso-brasileira Revista Camoniana. Pertence ao Conselho Executivo da Fundação Inês de Castro, presidindo ao júri do Prémio Inês de Castro. Tem integrado os júris dos principais prémios literários de Portugal e da CPLP, entre os quais o Prémio Camões.



 
 

Camoniana









Primeira epopeia / Luís de Camões

Coord José Carlos Seabra Pereira, Martinho Soares. 
Benfica: Círculo de Leitores, 2018. 

– [439, [9] p. (25cm). 
– Col. “Obras pioneiras da cultura portuguesa”, n.º 17, 
dir. José Eduardo Franco, Carlos Fiolhais.




  • (2018) “Introdução”, in Primeira epopeia / Luís de Camões. Coord José Carlos Seabra Pereira, Martinho Soares. S.l.: Círculo de Leitores, p. 7-39.
  • (2018) Os Lusíadas, na figuração de Levi Guerra. Coord. José Carlos Seabra Pereira, Margarida Negrais; fot. Marcos Oliveira. S.l.: Levi Guerra - CIEC. – [147, [1] p. : il. (31cm)].









"Na proto-história da literatura de Macau (Camões, F. Mendes Pinto, Bocage, Garrett)"

in O Delta Literário de Macau

de J C Seabra Pereira
Macau: Instituto Politécnico de Macau, 2015, 19-48.






  • (2015) Camões na Perspectiva do Modernismo, conferência, in Congresso Internacional "Orpheu 100". [...]
  • (2013) Novos reflexos da Inês camoniana, in Pedro e Inês: o futuro do passado. Coimbra: Associação de Amigos de D. Pedro e D. Inês, 61-83.
  • (2013) Carlos Queiroz e o efeito Camões: um “uso mais moderno¿?»", Diário de Notícias, Suplemento Quociente de inteligência. - [V. AA.VV - Carlos Queiroz (1907-1949) – Retrato de um poeta pelos seus amigos, Coimbra: CIEC, 2015].
  • (2012) Vasco Graça Moura mediador de Camões, As Artes entre as Letras, 2 (2012), 10-12.
  • (2012) Camões e a espiritualidade do seu tempo, in Maria do Céu Fraga et al, Camões e os Contemporâneos. Coimbra, Ponta Delgada, Braga: CIEC/ Univ. dos Açores/Univ. Católica Portuguesa, 117-154. – [Conferência de abertura do Colóquio Internacional Teografias III, Univ. de Aveiro, 20.06.2013].










Actas da VI reunião internacional de camonistas


Coord. José Carlos Seabra Pereira; Manuel Ferro.

Coimbra: Imprensa da Universidade, 2012.




  • (2012) Ainda Actéon na “Écloga dos Faunos” e a cisão na lírica camoniana, in Actas da VI reunião internacional de camonistas. Coord. José Carlos Seabra Pereira; Manuel Ferro. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 109-119.










"Reler Os Lusíadas em tempos de crise"

in Luís de Camões, Os Lusíadas


Lisboa: A Bela e o Monstro Edições, 303-311.




  • (2011) Inês de Castro (episódio de), in Vítor Aguiar e Silva, coord., Dicionário de Luís de Camões. Alfragide: Caminho, 444-449.
  • (2011) Camões e o(s) Modernismo(s) em Portugal, in Vítor Aguiar e Silva, coord., Dicionário de Luís de Camões. Alfragide: Caminho, 147-153.
  • (2011) Camões e o neorromantismo, in Vítor Aguiar e Silva, coord., Dicionário de Luís de Camões. Alfragide: Caminho, 167-172.
  • (2011) Augustinianismo em Camões, in Vítor Aguiar e Silva, coord., Dicionário de Luís de Camões. Alfragide: Caminho, 45-52.
  • (2009) Alotropia e desejo de plenitude na modernidade ocidental (com preâmbulo camoniano), in Utopias & Distopias. Coimbra: Imprensa da Universidade, 277-285.
  • (2009) A pena da escrita e o canto: de Camões a Pessoa, in Actas do Centre d'Études Lusophones de Genève, Filologia e Literatura, n.º 1, Lisboa: Colibri, 113-122.
  • (2007) Primeiros apontamentos sobre Camões no Neo-Romantismo português, Relâmpago, n.º 20 (2007), 61-90.
  • (2007) Notas sobre Camões e o(s) Modernismo(s) em Portugal, in Estudos Para Maria Idalina Rodrigues, Maria Lucília Pires, Maria Vitalina Leal de Matos. Lisboa: FLUL - Dep. Literaturas Românicas, 519-536.
  • (1999) A Fome de Camões e outros Destinos poéticos, Gomes Leal. Ed. de – . Lisboa: Assírio & Alvim.
  • (1984) Para o estudo das incidências augustinianas na lírica de Camões, in IV Reunião Internacional de Camonistas: actas. Ponta Delgada: Univ. Açores, 431-448.
  • (1984) Apontamentos sobre uma elegia augustiniana de Camões: “Se quando contemplamos as secretas”, in Afecto às letras: Homenagem da literatura portuguesa contemporânea a Jacinto do Prado Coelho. Lisboa: INCM, 329-35.









"Em torno das relações paragramáticas da poesia de Afonso Duarte com a obra de Camões"

in Do fim-de-século ao tempo de Orfeu


Coimbra: Almedina, 1979, 119-148.