8 de agosto de 2022

Entrada




Retrato do poeta, c. 1570,por Fernão Gomes (1548-1612)



Luís de Camões (c.1524 – Lisboa, 10.06.1580), tendo escrito em língua portuguesa e castelhana, é um dos maiores escritores do mundo. A sua personalidade tem inspirado inúmeros biógrafos e historiadores. Desde o Classicismo até à contemporaneidade, “o engenho e arte” manifestados pelo poeta na sua epopeia Os Lusíadas (1572) e nos seus poemas líricos das Rimas (1595) têm fascinado o leitor comum e o especializado, proporcionando extensa e diversa receção crítica, glosas de homenagem e criativa recriação. Em todas as épocas, contínuas gerações têm admirado a sua obra e nela encontrado o eco ou o desvelar dos seus próprios sonhos e anseios. Como referiu o camonista Vítor M. Aguiar e Silva, “Camões é um clássico que tem sido moderno ao longo dos séculos”.

Edição de: José Carlos Canoa
© Reprodução livre com menção da fonte. Exemplo.



Pode navegar pelas suas múltiplas facetas através das páginas aqui apresentadas:

A sua vida divulga informação e recursos sobre a biografia do poeta.

A sua obra mostra inicialmente as obras camonianas arrumadas por género (lírica, épica, teatro, cartas) e, dentro de cada género maior, fornece os textos dos subgéneros. No final, providencia-se a ligação para as Obras digitalizadas de Luís de Camões na Biblioteca Nacional de Portugal.

A época apresentará ligações para os grandes movimentos culturais e filosóficos que modelaram o tempo histórico de Camões; a influência de autores espanhóis e italianos; autores contemporâneos de Camões.

Testemunhos consiste numa antologia de excertos de consagrados camonistas sobre a vida e a obra de Camões.

Fortuna crítica contém listas de referências (bibliografia passiva) sobre a vida e a obra de Camões: receção crítica (coleções camonianas, ensaios, teses académicas, atas de encontros, artigos de periódicos e números temáticos, etc.); receção criativa (obras literárias e artísticas inspiradas em Camões) e traduções noutras línguas.

Multimédia abre-se ao diálogo intertextual da obra camoniana com as artes: Iconografia, Cinema, Música, etc. Pode ser uma aliciante porta de entrada no universo literário de Camões.

Recursos didáticos disponibiliza "materiais" (fichas de trabalho, resumos, esquemas, documentos históricos, etc.) que podem orientar o estudo da obra camoniana de acordo com os Programas e  Metas Curriculares de Português. É um auxiliar do ensino (para professores) e da aprendizagem (para os alunos) no que concerne a leitura dos textos líricos e da epopeia Os Lusíadas. Apresentam-se algumas referências bibliográficas e da Internet.

Utilitários reúnem informação prática e útil. São “ferramentas” de apoio ao navegante: Contactos; Mapa do blogue (um índice mais pormenorizado das principais secções do blogue); Siglas e Abreviaturas (utilizadas sobretudo nas referências bibliográficas); Glossário (de estudos literários, antropónimos, topónimos e vocabulário específico da obra e da época de Camões); Cursos de Estudos Camonianos; Notícias (Informação periódica recente, disponibilizada online).

Efemérides apresenta as datas celebrativas de Camões (os centenários, os "Ano Camões") ou importantes para os Estudos Camonianos.


CAMONISTA - Felipe de Saavedra









Camonista, historiador, professor e diretor da RCnA
n. em Lisboa, 1963



Felipe de Saavedra, que também assinou como Filipe Delfim Santos, é doutor em História Antiga e Medieval pela Universidad Autónoma de Madrid (1993), em Filosofia da Educação pela University of Christchurch (2015) e em Estudos Portugueses pela Universidade Nova de Lisboa (2016). Atualmente pesquisa temas relativos à história da presença portuguesa na Ásia e ao seu impacto na cultura global.

Ensina Estudos Portugueses na Universitas Indonesia, ilha de Java, e investiga o período clássico da literatura portuguesa. É o editor de Missiva.pt, página online de um projeto global sobre epistolografia, e é membro fundador da Rede Camões na Ásia (RCnA), que em 2022 organizou o Congresso Internacional comemorativo dos 450 anos da primeira publicação de Os Lusíadas, com a participação de estudiosos da obra camoniana de todo o mundo.



Camoniana / Período Clássico da Lit. Port.

  • (2001) Livros quinhentistas de prelos italianos. Academia das Ciências de Lisboa; introd. José V. de Pina Martins; catalogação Maria de Lurdes Rosa; rev. Maria Leonor Cardoso Sérgio Pinto, Filipe Delfim Santos. Lisboa: ACL.
  • (2019) Congresso internacional Mariana – Lisboa e Beja, Portugal, 15 a 17 de nov. 2019. – org. Filipe Delfim Santos.
  • (2019) Mariana Alcoforado: 350 anos de paixão e prélio. – Mostra bibliográfica que assinalou os 350 anos da edição princeps das Lettres portugaises traduites en françois. Na Biblioteca Nacional de Portugal, Lisboa, 4 - 30 nov. 2019.
  • (2020) Afinal nem todas as cartas de amor são ridículas, in Cartas portuguesas traduzidas em francês de Mariana Alcoforado. – Edição definitiva. Ed. Filipe Delfim Santos. Amadora: Canto Redondo, 9-53.





Cartas portuguesas traduzidas em francês

Coord. de Filipe Delfim Santos
Retroversão de Vitor Amaral de Oliveira

Amadora: Canto Redondo, 2020.



Congresso Mariana: atas

1.º vol. : Crónica e comunicações iniciais

Ed. Filipe Delfim Santos

Beja: Congresso internacional Mariana / Canto Redondo, 2021. 











Epistolário magno de Luís de Camões
Volume I – Celestina em Lisboa

edição crítica, analítica e comentada
de Felipe de Saavedra

Col. Epistolários, 2

Lisboa: Canto Redondo, 2022 


Congresso Internacional 450 anos de Os Lusíadas

Ternate/Jakarta, 12 de março de 2022. 
Org. Felipe de Saavedra. 






Atas do Congresso Internacional 450 anos de Os Lusíadas


Ed. Felipe de Saavedra
 
Ternate, Jakarta, Lisboa: RCnA, 2022








Páginas Web com eventos e recursos:







MISSIVA: as cartas portuguesas e brasileiras – Página online de um projeto global sobre epistolografia.





Rede Camões na Ásia (RCnA). – Rede asiática de pesquisadores e tradutores de Luís de Camões.




Camoens.pt – Diretório de estudos camonianos, divulgando música, poesia e outras atividades, incluindo trabalhos académicos.






Luís de Camões – Canal do Youtube sobre a vida, a obra e a época de Luís de Camões, que veicula igualmente recursos da RCnA e de Camoens.pt.







Bahasa Portugis – Canal do Youtube que funciona como “repositório dos trabalhos multimédia sobre Língua e Cultura Portuguesa dos estudantes da Universitas Indonesia” sob orientação do Professor Felipe de Saavedra.





Óbidos, Livraria Artes & Letras



7 de agosto de 2022

CAMONISTA - José Camões

 





José Camões, n. 16.07.1958

Camonista, professor, investigador principal do CET.


José António Camilo Guerreiro Camões doutorou-se com a tese intitulada Editar novamente: onze textos do teatro português do século XVI (2006) na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde atualmente é professor do programa de pós-graduação em Estudos Teatrais (Mestrado e Doutoramento).

Como investigador principal do Centro de Estudos Teatrais (CET), que foi criado em 1994 “para funcionar como palco privilegiado de atividades de investigação científica e formação de investigadores para o estudo do teatro”, José Camões tem-se centrado na história do teatro em Portugal, na edição crítica do corpus do teatro português dos séculos XVI, XVII e XVIII, nos estudos comparativos do teatro e na produção de ferramentas de investigação em humanidades digitais.





José Camões, como investigador do CET, assegura a direção científica de vários projetos:



HTP on-line - documentos para a história do teatro e das atividades teatrais em Portugal (publicados como recursos online).


  • TAP, o corpus de dramaturgos portugueses dos séculos XVI, XVII e XVIII, disponível online.


TPC XVIII – Textos Proibidos e Censurados no Teatro Português do Século XVIII: reúne-se neste catálogo o conjunto de títulos de teatro submetidos às instâncias censórias, para impressão ou representação, e que obtiveram despacho de proibição, na segunda metade do século XVIII.



  • Reconstrução virtual de teatros portugueses perdidos.
  • ENTRIB – Entremezes Ibéricos: um projeto que visa catalogar, editar e estudar os entremezes portugueses e espanhóis do século XVII.


Como estudioso textual, tem também editado o corpus de peças portuguesas dos sécs. XVI, XVII e XVIII em formato de livro, nomeadamente obras de Gil Vicente, Afonso Álvares, Luís de Camões, António Prestes, Simão Machado, Anrique Aires Vitória, Francisco de Sá de Miranda, dramaturgos anónimos do século XVI e traduções/adaptações de peças de Jean-Jacques Rousseau, Molière e Benedetto Marcello. 

 


Obra Camoniana / Séc. XVI-XVII

  • (1983) Autos / António Ribeiro Chiado. Lisboa: Teatro da Cantina Velha.
  • (1999) Obras / de Anrique da Mota. Ed. Osório Mateu; org. José Camões, Helena Reis Silva. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses [CNCDP].
  • (1999) Poesia / de Garcia de Resende. Ed. –. Lisboa: CNCDP.
  • (2001) Gil Vicente: todas as obras. Coord. cientif. José Camões. Lisboa: CNCDP. - Documento eletrónico.
  • (2002) As obras / de Gil Vicente. Dir. científica José Camões.  Lisboa: CET; Lisboa: INCM.
  • (2003) Gil Vicente 500 Anos Depois: actas / do Congresso Internacional... Coorganização com Maria João Brilhante, Helena Reis Silva e Cristina Almeida Ribeiro / CET da FLUL. Vol. II, Lisboa: INCM.







Filodemo: teatro

Luís de Camões. 

Edição de José Camões, com notas, glossário e bibliografia.

Lisboa: Cotovia, 2004.





  • (2006) Editar Novamente: onze textos do teatro português do século XVI. – Tese de doutoramento em Estudos de Teatro. Lisboa: FLUL. – 2 vol.; il. (30cm) + 1 disco óptico (CD-ROM) em caixa.
  • (2006) Obras / de Afonso Álvares. Introd., ed. José Camões; rev. Paula Lobo. Lisboa: INCM.




Teatro português do século XVI: teatro profano 


Introd. e ed. José Camões; rev. Paula Lobo
3 vols., Lisboa: INCM, 2007-2010.

1.º vol., tomo 1: Auto do Caseiro de Alvalade, Auto dos escrivães do Pelourinho, Auto do escudeiro surdo, Auto de Florisbel, Auto de Guiomar do Porto. – 2007. 
1º vol., tomo 2: Auto das Capelas, Auto de Dom Fernando, Auto dos Enanos, Farsa Penada, Auto dos Sátiros. – 2010.
1º vol., tomo 3: Auto de Dom André, Auto de Dom Luís e dos Turcos, Auto do Duque de Florença, Auto das Padeiras, Auto de Vicente Anes Joeira. – 2010.





  • (2008) Autos / de António de Prestes. Introd. – ; ed. de Helena Reis Silva; rev. Paula Lobo. - Lisboa: INCM. – 749, [6] p. : il. (24cm); Col. “Biblioteca de autores portugueses. Teatro”.
  • (2009) Comédias / de Simão Machado. Introd. e ed. José Javier Rodríguez Rodríguez; ed. de José Camões, Helena Reis Silva; rev. Paula Lobo. Lisboa: INCM.
  • (2013) Comédias / Francisco de Sá de Miranda. Ed. José Camões, T. F. Earle. Lisboa: INCM.
  • (2015) A farce by any other name... ovvero costanze e incostanze di un genere nel teatro portoghese (XVI-XVIII secolo), in  La farsa: apparenze e metamorfosi sulle scene europee. Ed. Carandini, Silvia. Roma, Itália: Pacini, 99-127.






Teatro de autores portugueses do século XVII: lugares (in)comuns de um teatro restaurado


Org. José Camões, José Pedro Sousa. 
Lisboa: CET, 2016.

Gil Vicente: compêndio

Coord. José Augusto Cardoso Bernardes, José Camões

Textos: Amélia Maria Correia et al.

Coimbra : Imprensa da Universidade; Lisboa: INCM, 2018.

  • (2019)  Do figurado ao literal: 'a todos veréis quexar / y a ninguno veréis morir / por amores'", in España y Portugal en la encrucijada del teatro del siglo XVI: estudios dedicados al profesor Miguel Ángel Pérez Priego. Ed. Miguel Ángel Teijeiro Fuentes; José Roso Díaz. Sevilha, Espanha: Editorial Renacimiento, 83-118.
  • (2019) Comédia d’Os Vilhalpandos / Francisco Sá de Miranda (Ms. Real Academia de la Historia) – [on-line], in Camões, José (dir.) Teatro de autores portugueses do Séc. XVI: base de dados textual. Lisboa: CET, Univ. de Lisboa. [22 novembro 2019].
  • (2020) Castro / António Ferreira. Ed. José Camões; Helena Reis Silva.



Comédia del Rei Seleuco / Luís de Camões

Ed. José Camões; Helena Reis Silva, 2020

Texto utilizado para esta edición digital: Teatro de autores portugueses do Séc. XVI: base de dados textual. Lisboa: CET, Univ. de Lisboa. [15 março 2019].


  • (2021) Um teatro exemplar. – Pref. a Exemplos Antigos: paremiologia e fraseologia no teatro português do século XVI: provérbios, ditados, adágios, anexins, rifões e outros ditos e sentenças quinhentistas / de Lurdes PATRÍCIO. Tavira: CM / CET da FLUL, 9-16. 




Poesia
/ Francisco de Sá de Miranda. 

Еdição de José Camões e Filipa de Freitas. 

Lisboa: INCM, 2021. – 1760 p.







CENTRO DE ESTUDOS DE TEATRO

Autores Portugueses dos Séculos XVI e XVII






Teatro de Autores Portugueses do Séc. XVI
Base de dados textual, online

“Neste sítio reúnem-se as obras que fazem a história do teatro no século XVI em Portugal, numa edição preparada no Centro de Estudos de Teatro
dirigida por José Camões, com Helena Reis Silva, Isabel Pinto, Lurdes Patrício, Inês Morais, Filipa Freitas e José Pedro Sousa 
(decorrente do projecto POCTI/ELT/33464/2000 da Fundação para a Ciência e a Tecnologia).
Colaboração de José Javier Rodríguez Rodríguez (textos em castelhano; apresentações), Lucília Chacoto (paremiologia), Manuel Calderón Calderón (textos em castelhano; apresentações), Maria Luísa Oliveira Resende (comédias de Jorge Ferreira de Vasconcelos).

A apresentação dos textos é feita com critérios rigorosos de transcrição, tendencialmente modernizantes da ortografia, eliminando erros óbvios de tipógrafos, mantendo as marcas fonéticas da língua quinhentista.
A técnica editorial permite disponibilizar informação através de campos temáticos, glossário, notas críticas para a investigação, fac-símiles e bibliografia.”




Teatro de Autores Portugueses do Séc. XVII

“Neste sítio reúnem-se as obras que fazem a história do teatro no século XVII em Portugal, numa edição preparada no Centro de Estudos de Teatro, dirigida por José Camões, com Helena Reis Silva, Teresa Araújo, José Javier Rodríguez Rodríguez, Carlos Mota Placencia, Manuel Calderón Calderón, Filipa Freitas, José Pedro Sousa, João Nuno Sales Machado (decorrente do projeto PTDC/CLE-LLI/122193/2010 da Fundação para a Ciência e a Tecnologia).
A transcrição dos textos é feita com critérios tendencialmente modernizantes da ortografia, eliminando erros óbvios de tipógrafos. A técnica editorial permite disponibilizar informação através de campos temáticos, glossário, notas críticas para a investigação, fac-símiles e bibliografia.”


  

  

6 de agosto de 2022

Falar de Amor prestando homenagem a Camões - uma opção poética de Ana Luísa do Amaral
















Ana Luísa Amaral (1946-2022)







"Em larga medida, o amor é inexprimível, porque não se explica. E é mortal. A única coisa que o pode imortalizar é a palavra."

In: Entrevista ao DN, 14.08.2005



ÚLTIMA MEDITAÇÃO DE CAMÕES II


Nasceste-me sem musa
e sem cuidado,
sobrevoando o tempo,
e as mais comparações 
que aqui eu possa
não te farão justiça nem acerto

Foste, palavra minha,
o mantimento
que trouxe de jornada,
e alimentaste a génese de tudo
nas visões
mais amargas

Ainda que em silêncio,
diz-me agora
de como pode ser
contentamento
este fogo de luz:

cruel morada

Dá-me outra vez,
em papel brando,
o mundo:

Eu: queimando por versos
um segundo,
tu, por um som,
ardendo eternidade

Ana Luísa Amaral
*
In: A Génese do Amor. Porto: Campo das Letras, 2005.
A gênese do amor.Rio de Janeiro: Gryphus, 2007.
[A versão textual foi reconstituída a partir da Internet]






o texto dito
pela Poetisa, na Brotéria.






3 de agosto de 2022

CAMONISTA - Isabel Almeida











Isabel Almeida, n. 1963-
Camonista, professora, investigadora e editora literária.



Isabel [Adelaide Penha Dinis Lima] Almeida realizou estudos de mestrado em Literatura Portuguesa com a dissertação [...] um estudo da epístola poética no século XVI (1989) e doutorou-se também na Universidade de Lisboa com tese sobre os Livros Portugueses de Cavalarias, do Renascimento ao Maneirismo (1998). É Professora Associada da Faculdade de Letras desta Universidade.

Isabel Almeida tem publicado em revistas e volumes coletivos estudos sobre Gil Vicente, Jorge Ferreira de Vasconcelos, Fernão Mendes Pinto, Pe. António Vieira e Luís de Camões. Destacamos os verbetes que redigiu para o Dicionário de Luís de Camões (2011), dirigido por Vítor Aguiar e Silva.

Isabel Almeida integrou a equipa responsável pela edição de Os Lusíadas Comentados por D. Marcos de S. Lourenço (CIEC, 2014) e prepara atualmente a edição dos comentários que Manuel Pires de Almeida escreveu sobre Os Lusíadas. As suas áreas de interesse compreendem, pois, a receção, abrangendo os comentários à obra de Camões, e a literatura portuguesa  dos séculos XVI-XVII.





CAMONIANA


  • (1989) Doces, brandos, graves, doutos versos: para um estudo da epístola poética no século XVI. – Tese de mestrado em Literatura Portuguesa. Lisboa: FLUL.
  • (1991) Duardos [Comédia de Dom Duardos / Gil Vicente]. Lisboa: Quimera.
  • (1992) «Em matéria de livros»: o diálogo I de Corte na Aldeia, Românica, n.º 1-2 (1992), 93-106.
  • (1994) Recensão crítica a A Vida de Camões, de Manuel Severim Faria [ed. de Reis Brasil, 1987], Colóquio/Letras, n.º 131 (jan. 1994), 211-212.
  • (1998) Livros portugueses de cavalarias, do Renascimento ao Maneirismo. – Tese dout. Em Literatura Portuguesa. Lisboa: FLUL. – Bibliogr., f. 717-765. – BNP: L. 63901 V.
 



Camões e a poesia de arte menor

in Lírica camoniana: estudos diversos
Constância: CIEC da Associação Casa-Memória de Camões em Constância
Lisboa: Cosmos, 1996, 27-45.






  • (1998) Obras de Álvaro de Brito. Ed., introd. e notas por – ; rev. Francisco Paiva Boléo. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses.






Poesia maneirista

[Antologia poética]
Apresentação crítica, seleção, notas e sugestões para a análise literária de Isabel Almeida 

Lisboa: Editorial Comunicação, 1998.







  • (2000) Recensão crítica a 'Sobre Camões, Gândavo e Outras Personagens. Hipóteses de História da Cultura', de Vasco Graça Moura, Colóquio/Letras, n.º 157/158 (jul. 2000), 425-426.
  • (2002) Inventer en castillan, illustrer le portugais: les exemples de Pero de Magalhães Gândavo et de Jorge Ferreira de Vasconcelos, Arquivos do Centro Calouste Gulbenkian, n.º 44 – La littérature d’auteurs portugais en langue castillane, p. 59-73.
  • (2003) Artes de furtar: «Al cor gentil rempaira sempre amore» segundo Jorge Ferreira de Vasconcelos", Românica, n.º 12 (2003), 53-65.
  • (2003) Para uma arte da memória: Baltasar Gracián e Manuel de Faria e Sousa, leitores de Camões, Santa Barbara Portuguese Studies, n.º VII – Luís Vaz de Camões Revisitado (2003), coord. José Augusto Cardoso Bernardes, 163-189.
  • (2004) "Morreram primeiro que nascessem. A propósito de livros perdidos: o caso do «Diálogo da Parvoíce» de Jorge Ferreira de Vasconcelos", Românica, n.º 13 (2004), 59-90.
  • (2005) Aulegrafia: «rascunho da vida cortesã», «largo discurso da cortesania vulgar»", Península – Revista de Estudos Ibéricos, n.º 2 (2005), 201-218.
  • (2006) A propósito de «Sete anos de pastor...» nos sermoens de Vieira, Via Spiritus – Revista de História da Espiritualidade e do Sentimento Religioso, n.º 13 (2006), 59-96.




Magnum miraculum est homo:
José Vitorino de Pina Martins e o Humanismo

Org. FLUL; coord. Maria das Graças Moreira de Sá, Isabel Almeida, Cristina Sobral. 
Lisboa: FLUL, 2008.



  • (2011) Camões readings during the time of the Philips / Leituras de Camões no tempo dos filipes, Colóquio/Letras, n.º 178, número suplementar, p. 37-47.



Verbetes, in: Dicionário de Luís de Camões. Alfragide: Caminho, 2011:


Cartas de Camões, 241-249.
Cidade, Hernâni (camonista), 263-268
Correia, Manuel, 294-298
Maneirismo, 531-542
Maneirismo em Camões, 542-554
Mariz, Pedro de, 572-577
Morais, Francisco de, 607-613
Rodrigues, José Maria, 882-885





  • (2012) Em busca das fontes: Os Lusíadas comentados pelo Padre D. Marcos de S. Lourenço, eHumanista [digital], vol. 22, University of California, Santa Barbara 165-177.






Examinar os manuscritos das livrarias particulares: 
obra do Conde de Ericeira

Arthur Askins, Cristina Sobral, Isabel Almeida. 

Lisboa: CIEC / Centro de Linguística da Universidade.






  • (2013) "Se nenhum amor pode ser perdido": Sophia e Camões, in Sophia de Mello Breyner Andresen: Actas do Colóquio Internacional. Org. Maria Andresen de Sousa Tavares, 252-262.
  • (2014) Entrevista [conduzida por Maria do Socorro Fernandes de Carvalho, Unifesp], Floema, ano VIII, n.º 10 (jan.-jun. 2014), São Paulo, 11-26.





Os Lusíadas de Luís de Camões
comentados por D. Marcos de S. Lourenço Cónego Regular da Congregação de Santa Cruz de Coimbra


Transcrição e fixação do texto Isabel Almeida, Filipa Araújo, Manuel Ferro, Teresa Nascimento, Marcelo Vieira; 
notas Isabel Almeida, Filipa Araújo, Marcelo Vieira; 
revisão, índice e nota introdutória Isabel Almeida. 

Coimbra: CIEC, 2014.




  • (2015) As traduções: 4. As traduções para italiano, in A Biblioteca Camoniana de D. Manuel II: Camões nos prelos de Portugal e da Europa (1563-2000). Coord. José A. Cardoso Bernardes. Vol. I, Coimbra: Imprensa da Universidade: Fundação da Casa de Bragança, p. 175-178.
  • (2015) Os Lusíadas: 2. Edições dos séculos XVII e XVIII, in A Biblioteca Camoniana de D. Manuel II: Camões nos prelos de Portugal e da Europa (1563-2000). Coord. José A. Cardoso Bernardes. Vol. I, Coimbra: Imprensa da Universidade: Fundação da Casa de Bragança, p. 23-39.









Peregrinaçam, 1614


Org. de Isabel Almeida

Lisboa: CEM Centro de Estudos Clássicos, 2017.
426 p. : il. ; 23 cm. - ISBN 978-972-9376-46.



  • (2018) Guerra e paz: leituras seiscentistas de Camões, Colóquio/Letras, n.º 197 (jan.-abr. 2018), Lisboa, 9-23.
  • (2020) “Avivando o juízo ao doce estudo”: a poesia de Camões e a tradição do comentário, in Hidra Vocal: estudos sobre Retórica e Poética (em Homenagem a João Adolfo Hansen). São Paulo: Ateliê Editorial, 37-60.
  • (2020) “O reino que nos coube”: Maria Gabriela Llansol e Camões, In «O Litoral do Mundo»: Llansol e a «costura cultural portuguesa». Lisboa: Mariposa Azual, 35-47.
  • (2020) Gil Vicente, in O Cânone. Lisboa: Tinta-da-China, 261-270.
  • (2020) José Maria Rodrigues, verbete, in Dicionário de Historiadores Portugueses. Org. S. Campos de Matos. Lisboa: BNP.
  • (2020) Menina e Moça: desafios da imperfeição, in Voci del passato nella complessità della memoria: miscellanea di studi in onore di Silvano Peloso. Roma: Edizioni Nuova Cultura, 13-28.
  • (2021) A cultura literária na corte de D. Manuel, in Vi o reino renovar: arte no tempo de D. Manuel. Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga/INCM, 239-249.
  • (2021) Poesia em Portugal: relações literárias, in Entre Italia, Portugal y España: ensayos de recepción literaria. Santiago de Compostela: Universidad de Santiago de Compostela, 383-403.