11 de junho de 2022

CELESTINA EM LISBOA – UMA CARTA DE CAMÕES OCULTA POR 470 ANOS


Epistolário Magno de Luís de Camões vol. 1 – Celestina em Lisboa

de Felipe de Saavedra

Amadora: Canto Redondo, julho 2022.


Livro em pré-venda (€ 20,83, oferta dos portes), disponível a partir de 15 de julho.




"Vem aí o primeiro volume do Epistolário Magno de Luís de Camões!"


"Há várias décadas que os estudos camonianos não progrediam no resgate de novos textos e documentos, o que é surpreendente tendo em conta a existência de muitas fontes manuscritas por identificar e publicar. Quando esta edição do «Epistolário Magno de Luís de Camões» por Felipe de Saavedra estiver completa, constituirá um marco inegável nesses estudos.

As catorze cartas contempladas no total dos cinco volumes previstos (doze principais e mais duas suplementares) são apresentadas em texto crítico e com extenso comentário histórico e biográfico.

Elas incluem, para além das cinco epístolas em prosa tradicionais (VII-X, XII), mais três que são estudadas como epístolas (II, III, XI) e outras três que são reatribuídas a Camões (I, IV e IVa). Para mais duas missivas é estabelecida a autoria camoniana pela primeira vez (Ia, V), enquanto uma última, há muito reconhecida como sendo de Camões, permanecia inédita em versão integral (VI), sendo esta a primeira a vir a público nesta série.

O acervo de informações que as cartas de Camões revelam inclui, por exemplo, a cidade onde ele nasceu; como era a vida militar da guarnição portuguesa de Ceuta onde ele serviu, e as queixas dos portugueses contra o capitão da praça; quem eram os seus companheiros de má vida na noite lisboeta, e por que razões foi preso em 1552; o impacto da pandemia da sífilis nas letras europeias e portuguesas; ou como se malcomportavam as diversas tribos urbanas que compunham a colónia portuguesa residente em Goa.

No comentário, o mais extenso até hoje elaborado para o epistolário camoniano, estudam-se aspectos que têm sido pouco contemplados, desde os biográficos – sejam os contornos da sua doença e as circunstâncias precisas da sua morte – aos mais teóricos: a afinidade entre a comédia, a sátira e a epístola pelo elemento dionisíaco que subjaz à sua filosofia de vida e visão do mundo.

O retrato ao vivo que resulta deste assinalável esforço interpretativo não é o de um «novo Camões», nem o de um Camões alternativo ao Camões brônzeo ou marmóreo, dito «oficial». Pelo contrário, quem reemerge destas páginas é o Camões «mais antigo», o original, ainda humano e talvez «demasiado humano», com quem os seus contemporâneos privaram quando ele se achava ainda isento do mito com que os pósteros o iriam depurar e desumanizar."

Fonte: Na página no Facebook da editora Canto Redondo.


VOL. 1 CELESTINA EM LISBOA – UMA CARTA DE CAMÕES OCULTA POR 470 ANOS



"A presente publicação do Epistolário Magno de Luís de Camões, em edição crítica, analítica e exegética, fundamenta-se na escrupulosa releitura das mais antigas fontes manuscritas e impressas, elevando o estudo da epistolografia clássica portuguesa a um novo patamar de exigência científica.

Esta obra em cinco volumes inicia-se com uma missiva inédita, votada ao ostracismo desde 1925. Adicionar quase mil e quinhentas palavras ao corpus camoniano é um feito a que desde há muito não se assistia. E não são meramente mais palavras, e sim uma colorida evocação de Celestina, a alcoviteira nascida da pena de Fernando de Rojas em 1499, que aqui revive na Madama del Puerto, a alcouceira que retorna a Lisboa após ter sido açoutada e banida da cidade.

Nesta extensa crónica das desvivências do submundo de Lisboa, iniciada pela proposição Por q̃ nẽ tudo seja falaruos de siso, Camões denuncia os engodos das toleradas para espoliaram do seu pré os jovens ceitis — mancebos conscritos para a praça militar de Ceuta — e também como as compradiças propagavam a pandemia de sífilis que assolava a Europa. O relato é rematado com a descrição de uma charanga carnavalesca que, às primeiras horas da madrugada, parte do porto de Lisboa rumo aos jardins de Horta Navia, em Alcântara, onde se celebrará um festival báquico.

Enquanto obra destinada tanto a uma audiência académica quanto a um público interessado, este estudo da carta Celestina em Lisboa concilia a erudição filológica, o rigor histórico e a mestria hermenêutica, com um tom ocasionalmente mais jocoso, entremetendo também algum latinzinho para aceder às propostas do próprio Camões."




EPISTOLÁRIO MAGNO DE LUÍS DE CAMÕES – 5 volumes


VOL. 1 CELESTINA EM LISBOA
  • CARTA VI — Por q̃ nẽ tudo seja falaruos de siso

VOL. 2 QUẼ TERA TÃ LIVRE O PENSAMENTO?
  • CARTA I — Huã de v m me deraõ tam guastada
  • CARTA II — Quem pode ser no mundo tã quieto
  • CARTA III — Aquella cuio peito em flama ardido
  • CARTA IV — Por usar costume antigo

VOL. 3 VISITAÇÃO AOS PAÇOS DE VÉNUS
  • CARTA V — Mandarame que lh’escreuesse
  • CARTA VII — Huã vossa me deraõ a qual pello descostume
  • CARTA VIII — Quanto mais tarde vos escreuo

VOL. 4 CÀ, & LÂ MÀS FADAS HA (LETRAS DA ÍNDIA)
  • CARTA IX — Deſejei tanto hũa voſſa
  • SÁTIRA I — Eſte mundo es el camino
  • SÁTIRA II — E hũ q̃ bebia exceßiuamente
  • CARTA X — Esta uai com a candeia na maõ
  • CARTA XI — Aquelle vnico exemplo

VOL. 5 HORA TEMPERAIME LA ESSA GUAITA
  • CARTA XII — Quem ouuiu dizer nunca
  • Cartas perdidas
  • Receção crítica



Para saber +