Mostrar mensagens com a etiqueta exposição 2024. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta exposição 2024. Mostrar todas as mensagens

2024/06/23

Exposição ÉPICO E TRÁGICO: Camões e os românticos no MNAA


«ÉPICO E TRÁGICO: Camões e os românticos»

EXPOSIÇÃO

Comissariado: 

Alexandra Markl | Raquel Henriques da Silva

11 JUL. 2024, quinta-feira (inauguração) | às 17h30

12 Jul 2024 a 29 Set 2024

Piso 1 | Sala 50 - Sala do Tecto Pintado |, do MNAA
Entrada pelo Largo 9 de Abril

Visita Orientada

Exposição temporária«Épico e trágico: Camões e os românticos»

7 JUL. 2024 | 1º domingo do mês | 11h30

Orientação: Miguel Soromenho

Destinada a público em geral
Sem Inscrição | Gratuito.



O Poeta como figura mítica do Romantismo português

"Celebra-se, em 2024, os 500 anos do nascimento de Luís de Camões (1524-1580), o maior poeta português, autor de Os Lusíadas, inspirado em A Eneida de Virgílio, que narra a história de Portugal numa perspetiva mítica, centrada na viagem de Vasco da Gama.

Desde finais do século XVIII, Camões e alguns temas de Os Lusíadas conhecem crescente divulgação internacional, contextualizados numa cultura pré-romântica. A vida aventurosa do poeta torna-se ela própria motivo literário e artístico. 

É neste ambiente que Francisco Vieira Portuense realiza uma série de composições, visando ilustrar cada um dos 10 Cantos do poema, num projeto para uma grandiosa edição. Essa publicação nunca será concretizada mas, no início de 1817 saía em França uma cuidada e amplamente ilustrada edição monumental de Os Lusíadas, por iniciativa do Morgado de Mateus.

Por estes mesmos anos, vários criadores portugueses, todos a viver fora do país e quase em simultâneo, consagram obras celebrativas a Camões: Domingos Bomtempo dedica-lhe uma
Missa de Requiem, em 1817, e Almeida Garrett compõe um extenso poema, editado em 1825. Coincidentemente, em 1824, Domingos Sequeira, apresenta, no Salon de Paris, o quadro "A Morte de Camões" que, no final, enviou para o Rio de Janeiro, oferecendo-o ao recente imperador D. Pedro I (D. Pedro IV de Portugal). A obra perdeu-se depois, mas existe um conjunto de desenhos preparatórios que evocam o poeta nos últimos momentos de vida, recebendo a terrível notícia da derrota de D. Sebastião na batalha de Alcácer Quibir. «Ao menos morro com a Pátria!» exclamaria ele.

O conjunto de obras expostas consagram o arranque do romantismo na arte portuguesa, comprometida com a celebração da história nacional e dos seus heróis. E os temas camonianos, entre eles o dos últimos momentos do poeta, continuaram a ter eco e a ser abordados, ao longo de todo o século XIX, tanto por pintores portugueses como por alguns europeus."
in MNAA, junho 2024







  1. Um momento da montagem da Exposição comissariada por Alexandra Markl e Raquel Henriques da Silva, imagem partilhada na página do Facebook do MNAA, 22.06.2024.
  2. Pintura (pormenor) de Francisco Vieira Portuense visando ilustrar um dos cantos de "os Lusíadas" e que integrará o acervos de obras expostas pelo MNAA nesta exposição camoniana.
  3. «Estudo para "A Morte de Camões" ou "Os Últimos Momentos de Camões"»,  desenho de Domingos António de Sequeira (1768-1837), no MNAA.
  4. Instalações do Museu Nacional de Arte Antiga em Lisboa. - Fotografia ©MNAA/Paulo Cintra e Laura Castro.







para saber +

News letter, junho 2024, do MNAA - [PDF]

LUSA
in Observador [online], 6.06.2024


in Luís de Camões - Diretório de Camonística, 10.04.2016








Redação: 23.06.2024

2024/06/21

Exposição “As plantas na obra poética de Luís Vaz de Camões" organizada pelo Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra

 



“As plantas na obra poética de Luís Vaz de Camões”

EXPOSIÇÃO

Aguarelas de Ursula Beau


17 jun. a 31 jul. 2024 | Inauguração: às 16h30

No Colégio de São Bento, Coimbra

Organização:

DCV - Departamento de Ciências da Vida
com a colaboração da Sociedade Broteriana  e o Jardim Botânico
 da Universidade de Coimbra








Palavras de boas vindas pelo
Prof. Miguel Pardal
Diretor do DCV, UC


às 17h | No Colégio de São Bento, Coimbra
Apresentação da exposição e palestra

 “Especiarias, aloés e outras plantas em Camões” 

por Jorge Paiva (DCV) e Rita Marnoto (FLUC)


às 13h15 |  no Jardim Botânico

Sprint botânico "Plantas Camonianas"

O dia da inauguração da mostra incluiu também
um sprint botânico onde os participantes viajaram "pela flora lírica e épica de Camões",
como explicou João Farminhão (JBUC), o guia da visita.









A partir da coleção de aguarelas de Ursula Beau (1906-1984) 
doadas à Sociedade Broteriana / DCV da U. Coimbra, 
foram selecionadas 13 aguarelas de plantas que estão mais mais relacionadas com 
as referidas na obra camoniana, n’ Os Lusíadas e na Lírica
Compementarmente, os investigadores 
Ana Margarida Dias da SilvaMaria Teresa Gonçalves Jorge Paiva
associaram o trecho poético onde a planta é glosada, 
com a indicação do nome científico, do nome vulgar e do nome utilizado pelo poeta. 
Será ainda exposto um conjunto de especiarias referidas por Camões.




"De acordo com Jorge Paiva, professor aposentado do DCV/FCTUC, «na época camoniana, as plantas mais conhecidas e citadas na literatura não eram as plantas comestíveis ou ornamentais, mas sim as plantas medicinais». Os Lusíadas foram escritos, quase na totalidade, no Oriente e centram-se nos Descobrimentos, logo, as plantas asiáticas, particularmente as medicinais e as especiarias, surgem em maior destaque. A Lírica, maioritariamente escrita em Portugal e centrada no amor e na paixão, refere plantas europeias, particularmente as suas flores.

Como Camões viveu a sua grande paixão durante os 13 anos que esteve em Coimbra (1531- 1544), de onde partiu aos 20 anos, a maioria das plantas referidas na Lírica são plantas dos campos do Mondego, que refere também, saudosamente, n’ Os Lusíadas, no episódio de “Inês de Castro” (Canto III, 118-135) e no episódio da “Ilha dos Amores” (Canto IX, 18 – X, 95).

«Não é fácil determinar com exatidão todas as plantas citadas por Camões na sua obra (Épica e Lírica), pois a maioria das vezes refere-as de forma poética e utilizando, como o próprio afirma, derivações com extraordinários malabarismos linguísticos», acrescenta Jorge Paiva.

“As plantas na obra poética de Luís Vaz de Camões”
in Sociedade Broteriana, Notícias, 15.04.2024




para saber +


Sara Machado
in Universidade de Coimbra, Notícias, 13.06.2024


in Sociedade Broteriana, Notícias, 15.04.2024

in Diário de Coimbra [online], 18.06.2024

in Luís de Camões - Diretório de Camonística, 10.05.2024










Redação: 22.06.2024

2024/06/16

Exposição "500 anos do nascimento de Luís de Camões" em Vila Viçosa

 

500 ANOS DO NASCIMENTO DE LUÍS DE CAMÕES

Exposição

22 JUN. a 31 DEZ. 2024

no Paço Ducal de Vila Viçosa

Inauguração no dia 22 JUN. 2024 | às 18h00

Comissão científica:

Ana Isabel Buescu, Hélio J. S. Alves, Isabel Almeida, 
João Alves Dias, João Luís Lisboa, Maria do Céu Fraga e Vítor Serrão

Organização:

Fundação da Casa de Bragança 





"O certame, comissariado por Vicente Fino, 
apresenta edições raras de Camões, manuscritos, gravuras e 
iconografia artística alusiva ao tempo do vate, incluindo (por exemplo) 
o muito pouco conhecido retrato do poeta por Richard Fanshaw, 
primeiro tradutor para inglês de Os Lusíadas em 1655. 
Uma exposição que merece atenta visita."

Vítor Serrão | Facebook, 14.06.2024




Núcleos temáticos da Exposição:

“Camões no Alentejo”

“Camões e o seu Tempo”

“A imagem de Camões”

“História das Edições” 







Comemoração completada pelo estreia de

CAMONIANAS

CONCERTO

de Rui Luna
e Banda da Armada

22 JUN. 2024 | 21h00 | no Igreja dos Agostinhos









para saber +

Maria Ramos Silva
in Observador [online], 8.07.2024










Redação: 15.06.2024, atualizado em 9.07.2024.

Camões e os Clérigos - uma celebração no Porto que integra uma exposição, uma palestra e uma visita guiada

 

"Camões e os Clérigos"

EXPOSIÇÃO

13 JUN. 2024 |  abertura às 17h00 | na Igreja dos Clérigos


Preço do bilhete: 
8 € por pessoa (adulto)
5 € para quem apenas vir as exposições no Museu dos Clérigos




A par da inauguração da exposição haverá 

Palestra sobre o Poeta

às 16h
com a Professora Rita Marnoto, U. Coimbra / CIEC

 

Caminhada Camoniana

às 17h30
com o historiador Joel Cleto












O que se pode ver na mostra sobre Camões?



Um exemplar da edição princeps de Os Lusíadas

Lisboa: oficina de António Gonçalves, 1972. 

Exemplar com "encadernação em pele lisa e 
lombada decorada com ferros a quente". 
Folhas de guarda em papel marmorizado.

Imagem in: Torre dos Clérigos | Facebook, 15.06.2024




Busto de Luís de Camões, da autoria de Soares dos Reis.

Em gesso pintado, datado de 1880,
esculpido por Soares dos Reis 
com a colaboração de Marques de Guimarães, 
para o Ateneu Comercial do Porto,
aquando das celebrações do 
Tricentenário da morte do Poeta.

Imagem in: Torre dos Clérigos | Facebook, 15.06.2024



Um exemplar da edição de Os Lusíadas de 1880

Edição crítica e comemorativa do Tricentenário da morte do Poeta,
publicada por Emílio Biel e dedicada ao imperador Dom Pedro II, do Brasil.

Edição em miniatura, de 1944. 
Reprodução  fac-similada da 1.ª ed. de 1572, 
com fotolitos da Fotogravura Nacional.

Imagem in: Torre dos Clérigos | Facebook, 15.06.2024





Momentos das celebrações, com a palestra camoniana pela Professora Rita Marnoto
Todos os créditos das imagens são de: Torre dos Clérigos | Facebook, 15.06.2024







para saber +


in Torre dos Clérigos, Notícias e Eventos,12.06.2024


in JN [online], 15.06.2024







Redação: 16.06.2024


2024/06/10

Exposição fotográfica “O Rosto de Camões” de João Francisco Vilhena

 

“O Rosto de Camões”

EXPOSIÇÃO

de João Francisco Vilhena

10 JUN. a 31 AGO. 2024 | Casa da Cidadania da Língua, em Coimbra

10 JUN. 2024 | às 15:51 - Inauguração


Uma parceria entre 

OPART / Teatro Nacional de São Carlos
 Casa da Cidadania da Língua, de Coimbra
Associação Portugal Brasil | Câmara Municipal de Coimbra





"uma reflexão artística sobre a iconografia do poeta nacional"

"10 rostos, um de cada um dos países de língua portuguesa 
mostram um Camões inesperado, diverso e contemporâneo."





"A exposição, concebida pelo artista João Francisco Vilhena, propõe 
um ensaio fotográfico de 10 retratos, 
inspirados no célebre quadro de Luís Vaz de Camões,
com cinco homens e cinco mulheres de diferentes idades e 
origens dos territórios de língua portuguesa. 
Estas fotografias, a cores, mostram figuras anónimas vestidas com 
os trajes típicos do século XVI, incluindo a emblemática gola de Camões,
 simbolizando a diversidade e unidade da língua portuguesa

Destaca-se na Exposição:

Retratos Fotográficos: 
10 retratos a cores de figuras anónimas de territórios de língua portuguesa, 
todos usando a gola branca camoniana.

Interpretação Artística: 
Uma análise da representação do "quadro vermelho de Camões”, 
 através do retrato pintado “a sanguínea”, da autoria do pintor Fernão Gomes, 
realizado entre 1573 e 1576.

Reflexão Histórica: 
A conexão entre a imagem de Camões e a epopeia d' Os Lusíadas
celebrando a grandeza e a decadência de Portugal.

in Casa da Cidadania da Língua, Evento, Coimbra, 4.06.2024


"A partir do célebre retrato do poeta, pintado a sanguínea, entre 1573 e 1576, por Fernão Gomes, foi desenvolvido um ensaio fotográfico de dez retratos, executados no estúdio fotográfico montado num espaço do Teatro Nacional de São Carlos que contou, para o efeito, com peças do acervo de guarda-roupa do Teatro.

No total, foram nove conjuntos de gibões e gorjeiras da produção de 1979 da ópera Rigoletto, de Giuseppe Verdi e um gibão e gorjeira da produção de 1986 da ópera Roberto Devereux, de Gaetano Donizetti. Os figurinos de ambas as produções foram assinados por Ferruccio Villagrossi (n. 1937)."
São Carlos | Facebook, 11.06.2024







  1. O fotojornalista João Francisco Vilhena (n. 1965). Foi editor fotográfico dos semanários "O Independente" e  "Sol", e diretor de arte da revista pessoana "Tabacaria". - Foto no perfil do artista no Facebook.
  2. Momento da montagem da exposição fotográfica “O Rosto de Camões”. - Imagem no Facebook do artista.
  3. Um dos 10 retratos fotográficos a cores, o de uma jovem lusófona usando a gola branca camoniana.
  4. Jovem brasileiro residente em Portugal posa com indumentária e pose semelhantes às do icónico quadro de Fernão Gomes, o retrato a sépia.
  5. João Francisco Vilhena assinou vários livros em coautoria, como o Diário das Nuvens (Abysmo, 2021), em parceria com João Paulo Cotrim.






para saber +

in Casa da Cidadania da Língua, Evento, Coimbra, 4.06.2024

Carmo Torres
in Diário do Distrito [online], 08.06.2024


João Francisco Vilhena
in Folha de São Paulo, Ilustríssima: suplemento cultural, 8.06.2024







Redação: 23.06.2024, atualizado em 24.06.2024.

Exposição “Camões. Letras impressas (1572-2024)” na na Biblioteca da Universidade de Coimbra

 

 “Camões. Letras impressas (1572-2024)”

 mostra bibliográfica

Curadoria de:
José Augusto Bernardes
Professor Catedrático da Faculdade de Letras da UC 
e antigo Diretor da BGUC

na Biblioteca Joanina da UC

de 10 de junho a [encerrada]
[fonte fidedigna relatou não ter podido ver]


Presidente da República inaugurou a exposição
no dia 10 de junho, às 17h 
promovida pela 
Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra.








"A primeira edição de Os Lusíadas surge em Lisboa, no ano de 1572. Desde então, as obras de Luís de Camões foram sendo publicadas regularmente até aos nossos dias, atravessando todos os regimes políticos e todas as circunstâncias sociais. A conclusão parece ser só uma: os portugueses não conseguem passar sem os livros do seu “poeta maior”.

A pequena mostra que estará patente na Biblioteca Joanina é constituída por obras escolhidas, que se guardam na biblioteca da Universidade de Coimbra, fazendo parte de um dos mais importantes acervos camonianos preservados no país."


"A exposição «Camões. Letras Impressas (1572-2024)» foi inaugurada na Biblioteca Joanina a 10 de junho por Sua Excelência o Presidente da República. Trata-se de uma produção da BGUC com curadoria de José Augusto Cardoso Bernardes, do Centro de Literatura Portuguesa.

Concebida para assinalar o início das comemorações dos 500 anos do nascimento de Luís de Camões, esta exposição bibliográfica estará de novo patente na Sala de São Pedro da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra no outono de 2024, em versão mais extensa."
In CLP - Centro de Literatura Portuguesa da U. Coimbra, 13.06.2024






NÚCLEOS TEMÁTICOS DA EXPOSIÇÃO


1
LÍRICA - Primeiras edições

2
LÍRICA - Século XVII

3
LÍRICA - Séculos XX e XXI

4
ÉPICA - Edições comentadas

5
ÉPICA - Edições "monumentais"

6
ÉPICA - Edições escolares

7
LUÍS DE CAMÕES: 1572-2024








  1. Interior da Biblioteca Joanina, na U. Coimbra. - Imagem na Wikipédia.
  2. Capa do catálogo da mostra bibliográfica apresentada temporariamente na Biblioteca da U. Coimbra.
  3. Exterior da Biblioteca Joanina, na U. Coimbra. - Imagem na Wikipédia.








para saber +

In Luís de Camões - Diretório de Camonística, 11.06.2024


Camões. Letras impressas (1572-2024). - Catálogo [8 p.]
Coimbra: Biblioteca da U. Coimbra, 2024.










Redação: 15.06.2024