Mostrar mensagens com a etiqueta Opinião. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Opinião. Mostrar todas as mensagens

2023/12/30

Camões deve ser celebrado e ensinado!, a opinião de Gonçalo Borbinha

 

 As armas e os barões, agora sim, assinalados

opinião

Gonçalo Borbinha

in Diário do Distrito, 29.12.2023



Ia “eu no meu caíco”, aborrecido, já de dedo em riste, preparado para salvar o Camões das marés revoltas do esquecimento, quando recebo a notícia de que afinal a data comemorativa vai ser, espera-se, assinalada – sem vergonhas. Convido-o a refletir sobre os Descobrimentos.

O Governo criou um comissariado para as comemorações dos 500 anos do nascimento de Luís Vaz de Camões. Só agora. Também nunca acreditei que o azedume (terminologia em tendência no discurso político recente) para com a História de Portugal falasse mais alto do que uma legião de defensores do nosso património literário e cultural. Ainda assim, indigna-me sentir que se demorou muito tempo a arregaçar as mangas, uma tendência que se inverteu, devo desconfiar, pelo bruaá gerado.

Especulações à parte, resta-me parabenizar a enaltação de Camões, que não é dado adquirido, e é esse o ponto que me interessa.

O poeta renascentista é um marco da literatura portuguesa e foi, por meio da composição d'Os Lusíadas, um veículo do símbolo mais manifesto e declarado do melhor que é ser português. Luís Vaz de Camões é, indubitavelmente, uma figura que representa uma identidade, com potencial intemporal, do que é ser português a sério. Camões deve ser celebrado e ensinado! Assim mesmo, com vigor e veemência!

Não me quero alongar em navegações dispensáveis, “não vá encalhar-me” fatalmente nos argumentos falaciosos e irritantes dos wokistas, que consideram que tudo aquilo que é referente aos Descobrimentos se prefigura como old fashioned e imoral. Isto porque tanto Os Lusíadas, como Os Maias, esta última obra de Eça de Queiroz, são, dizem alguns deles, “racistas”.

Haverá certamente um oceano ideológico que me separa da professora e investigadora Vanusa Vera-Cruz, quando sublinha que, n'Os Maias, a “linguagem do narrador reproduz superioridade da raça branca”. Da mesma forma, considero abstrusa a narrativa de que a obra Lusíadas representa “a exaltação de uma época que a nós, portugueses, nos devia envergonhar”, como escreveu Joana Fonte, militante do Bloco de Esquerda e cronista do jornal Público.

Algumas pessoas executam julgamentos pejorativos do passado com base nos princípios morais do presente. É evidente que nós, portugueses, sabemos que a vida não tinha muito valor há largas centenas de anos atrás, que todos países do mundo (os poucos que já tinham sido descobertos) tinham a pretensão de conquistar terras, que a aculturação era o pão nosso de cada dia e que muitos erros foram cometidos. Assim sendo, é suposto os portugueses andarem de cabisbaixo, envergonhados, vergados, deprimidos e investidos em empurrar o passado para baixo da cama? Não será mais vantajoso pegar nos pontos positivos da nossa diáspora heroica e retirar simbolismos que elevem a nossa autoestima como povo?

Ninguém diz que tudo foi correto, mas se não podemos alterar o passado, nem devemos escondê-lo, então o caminho faz-se enaltecendo a coragem, a determinação, a perseverança e a fé que nos caracterizou.

O mito, a lenda, a crença, a ambição e o sonho são alguns dos melhores pilares que Luís Vaz de Camões passou para a sua escrita. E você? Tem vergonha disso?"

Gonçalo Borbinha
As opiniões expressas no artigo são pessoais e vinculam apenas e somente o seu autor.

in Diário do Distrito, 29.12.2023






©
Transcrevemos  o texto do artigo na íntegra, 
por ser breve, muito pessoal e
para uma maior divulgação do mesmo.

Qualquer questão de direitos autorais,
agradecemos ser contactados para mantermos o link para a fonte
e apagarmos o texto deste Diretório. Obrigado.