Mostrar mensagens com a etiqueta Milton Pacheco. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Milton Pacheco. Mostrar todas as mensagens

2023/02/27

IV Centenário da Estada de Luís Vaz de Camões na Ilha de Moçambique (1569-1969), por Milton Pacheco


© Fotografia de Ossemane A. S. Daudo, cidadão moçambicano





IV Centenário da Estada de Luís Vaz de Camões na Ilha de Moçambique (1569-1969)

EVOCAÇÕES CAMONIANAS



"A figura incontornável da cultura nacional, Luis Vaz de Camões, o poeta-viajante envolvido direta e ativamente no processo de expansão territorial portuguesa no Oriente a partir do século XVI, e que o próprio imortalizou na sua obra magna de Os Lusíadas, teve no decurso das comemorações celebrativas de 1969 a sua efígie multiplicada nos modelos de representação tradicionalmente aceites pelos especialistas.

Os festejos comemorativos dos quatrocentos anos da saída definitiva de Camões da Ilha de Moçambique destacar-se-iam das restantes quatro comemorações ocorridas em 1969 – como as de Vasco da Gama por exemplo – pela menor expressão celebrativa entre as sociedades locais e as da metrópole, em dimensão e na duração dos eventos. Tanto quanto sabemos, somente as festividades camonianas não dispuseram de um evento em Lisboa.

Circulando com maior ou menor impacto na província moçambicana, até alcançar inevitavelmente a metrópole portuguesa, as edições comemorativas móveis e de pequeno porte – as coleções filatélicas e as séries medalhísticas –, foram permitindo contribuir para a difusão do programa final das comemorações oficiais a decorrer naquela pequena ilha africana. Enquanto os selos postais foram produzidos em suporte de papel com uma ampla margem de distribuição, as medalhas, cunhadas em bronze e em prata, foram difundidas essencialmente nos meios mais elitistas dos círculos institucionais e dos circuitos colecionistas.

Mas entre as diversas obras comemorativas promovidas pelas comissões ganhou destaque, pela imponência física, simbologia histórica e exclusividade material, a escultura de Camões empunhando o manuscrito de Os Lusíadas na Ilha de Moçambique, segundo uma imagem idealizada e algo romantizada integrada no projeto de recuperação e beneficiação dos principais eixos urbanísticos e arquitetónicos daquele território insular.

No quadro político-ideológico da época, as comemorações camonianas de 1969 permitiram à máquina propagandística e ideológica do Estado Novo continuar a difundir uma mensagem de cunho histórico-nacionalista português e europeísta, vincada por um sentimento de partilha e pertença identitária expresso na obra de Os Lusíadas. Contudo, não foi apenas o regime salazarista que se aproveitou politicamente da obra e do seu autor.

O mesmo Camões que fora recrutado pelos republicanos contestatários ao regime monárquico nos finais do século XIX, associando-o aos anseios de luta pela liberdade «cerceada pelo despotismo» – e que para muitos falecera em 1580, o ano em que D. Filipe I de Portugal [1527|1581-1598] começara a forjar a Monarquia Dual Ibérica com entrada no Reino –, acabara por ser convocado uma vez mais para legitimar a presença portuguesa nos territórios em que começaram a irromper os movimentos independentistas da denominada Guerra da Libertação de Moçambique a partir de 1964.

Independentemente da forma e da matéria, e do impacto de cada peça ou conjunto, os elementos comemorativos camonianos permitiram assinalar o acontecimento histórico e impulsionar uma vez mais a biografia e a obra do Poeta. E neste caso, a escultura camoniana concebida por António Pacheco ocupou um lugar preponderante entre as demais peças celebrativas promovidas."
Milton Pedro Dias Pacheco










Milton Pacheco
Historiador, investigador, camonista
Diretor, Casa-Museu Elysio de Moura





CAMONIANA


  • (2014) As musas tagídeas de Camões na obra de Columbano Bordalo Pinheiro, in Ciclo de conferências promovido pela Confraria Camoniana de Ílhavo. – Ílhavo, Museu Marítimo, 22.11.2014.
  • (2014, maio) Do mito para a tela: as representações das Tágides camonianas na arte portuguesa de Oitocentos, in VILELA, Ana Luísa; Elisa Esteves; Fabio Mario Silva; Margarida Reffóios (ed.) Representações do Mito na História e na Literatura. Évora: Centro de Estudos em Letras / Instituto de Investigação e Formação Avançada / Universidade de Évora, 279-292. – [Comunicação apresentada no Congresso Internacional: Mito e História, org. CEL-UÉ; CIDEHUS da UÉ. – Évora, Colégio do Espírito Santo – Univ. de Évora, 25.10.2011].
  • (2012) “Que fez o Serenissimo & Reverendissimo Cardeal Iffante Dom Anrique”: a acção legisladora do Arcebispo e Inquisidor-Mor no tempo de Camões, in Camões e os contemporâneos. – [Atas], org. Maria do Céu Fraga et al., Coimbra/Ponta Delgada/Lisboa: CIEC; Univ. dos Açores; Univ. Católica Portuguesa, 387-402. – [Comunicação apresentada no Colóquio Internacional Camões e os seus Contemporâneos, Braga, 14.04.2012].




Apresentação sobre "Camões na Ilha de Moçambique..."
Colóquio Camões e a Lusofonia, org. CIEC, Coimbra, 13.03.2019








CAMÕES E MOÇAMBIQUE

Alguma bibliografia a partir do texto de Milton Pacheco, Evocações camonianas, I e II



  • (1968, março) Informações e Notícias: IV Centenário da Estada de Luís de Camões na Ilha de Moçambique, Boletim Geral do Ultramar, 513, 118-119.
  • (1968, nov.-dez.) Informações e Notícias: IV Centenário da Estada de Luís de Camões na Ilha de Moçambique, Boletim Geral do Ultramar, 521-522, 120.
  • (1969, jan.-fev.). Informações e Notícias: Três comemorações centenárias relativas ao Ultramar, Boletim Geral do Ultramar, 523-524, 167-169.
  • (1969, 29 de maio) Os centenários de Vasco da Gama, Luis de Camões e Gago Coutinho no distrito de Moçambique, Diário de Moçambique, 6601, 9.
  • (1969, junho). Informações e Notícias: Filatelia. [Selos comemorativos do IV Centenário da Estada de Luís de Camões na Ilha de Moçambique], Boletim Geral do Ultramar, 528, 198-200.
  • (1969, set.-dez.) Informações e Notícias: IV Centenário da Estada de Luís de Camões na Ilha de Moçambique, Boletim Geral do Ultramar, 531-534, 201-202.
  • (1969, 12 de novembro). Um cruzeiro no “Infante D. Henrique” integrado nas comemorações camoneanas, Diário de Moçambique, 6763, 1.
  • (1969, 19 de novembro) Comemorações Camoneanas, Diário de Moçambique, 6769, 1. 
  • (1969, 20 de novembro) O “Infante Dom Henrique” chegou ontem à Beira, Diário de Moçambique, 6770, 2, 9.
  • (1969, 22 de novembro) Comemorações Camoneanas na Beira, Diário de Moçambique, 6772, 3.
  • (1969, 22 de novembro) O Governador-Geral inaugura hoje o importante edifício do Colégio Luís de Camões, Diário de Moçambique, 6772, 1.
  • (1969, 23 de novembro) Comemorações camoníanas: o novo edifício do Colégio Luís de Camões foi ontem inaugurado na Beira pelo Governador-Geral, Diário de Moçambique, 6773, 1-3.
  • (1969, 24 de novembro). A estátua de Camões foi ontem inaugurada na Ilha de Moçambique pelo Governador-Geral, Diário de Moçambique, 6774, 1-3.
  • (1969, 25 de novembro). Comemorações camonianas, Diário de Moçambique, 6775, 3.
  • (1969, 26 de Novembro). [Exposição Camoniana na Beira], Diário de Moçambique, 6776, 2.
  • Albuquerque, Luís de [coord.] (1979) Memoria das Armadas qve de Portvgal pasaram ha Índia. E esta primeira e ha com qve Vasco da Gama partio ao descobrimento dela por mamdado de ElRei Dom Manvel no segvndo anno de sev reinado e no do nacimento de Xpõ de 1497. Lisboa: Edição da Academia das Ciências de Lisboa.
  • BASTOS, F. de Magalhães (1972) Camoês na ilha de Moçambique, in Facho-Sonap., 17 (1972), p. 6-8.
  • Couto, Diogo do (1786) Da Asia. Dos feitos, que os Portuguezes fizeram na conquista, e no descubrimento das terras, e mares do Oriente. Decada Oitava. Lisboa: Regia Officina Typographica.
  • Cruz, M. A. L. (2011) Camões e Diogo do Couto, in V. A. e Silva (Coord.), Dicionário de Luís de Camões. Lisboa: Editorial Caminho, 134-140.
  • Garcia, A. (1969) Camões em Moçambique: 1567-1569, Monumenta. Publicação da Comissão dos Monumentos Nacionais de Moçambique, 5, 29-31.
  • Garcia, A. (1969, 22 de novembro). IV Centenário de Camões em Moçambique. 1567- 1569, Diário de Moçambique, 6772, 13.
  • Gonçalves, A. da. S. (1969) Camões e Moçambique, Monumenta. Publicação da Comissão dos Monumentos Nacionais de Moçambique, 5, 23-25. I







Catálogo da exposição itinerante, cartográfica e iconográfica, comemorativa do IV Centenário da Estada de Camões na Ilha de Moçambique

Lisboa: Arquivo Histórico Ultramarino, 1969



  • Lisboa, Eugénio (1981) Camões, a Ilha de Moçambique e nós, in Estudos sobre Camões: páginas do Diário de Noticias dedicadas ao poeta no 4.o centenário da sua morte. Lisboa: INCM - Editorial Notícias, p. 177-186. / reprod. em Oceanos, n.º 25 (jan.-mar. 1996), 76-80.
  • Lobato, Alexandre Marques (1969) Ilha de Moçambique: IV Centenário da Estada de Camões na Ilha de Moçambique: V Centenário do Nascimento de Vasco da Gama. Lisboa: Comissão Provincial dos Centenários.
  • Lobato, Alexandre Marques (1969, novembro) Comemorações do IV Centenário da Publicação de “Os Lusíadas” [Programa]. Lourenço Marques: Comissão Provincial do IV Centenário da 1.a Publicação de Os Lusíadas. - [Há também um folheto explicativo dos festejos].
  • Lobato, Alexandre Marques (1969, novembro) Programa dos festejos centenários na Ilha de Moçambique. Ilha de Moçambique. IV Centenário da Estada de Camões na Ilha de Moçambique. V Centenário do Nascimento de Vasco da Gama. Lisboa: Comissão Provincial dos Centenários.
  • MANO, Manuel Lourenço (1939) Luiz de Camões na ilha de Moçambique, in Moçambique: documentário trimestral, n.º 20 (out.-dez. 1939), p. 103-115.
  • MANO, Manuel Lourenço (1935) Luis de Camões na Ilha de Moçambique [Estada de Camões em Moçambique, no seu regresso do Oriente], in Moçambique: documentário trimestral, n.º 20 (out.-dez. 1935).
  • Mariz, P. de (1613). Ao estudioso da lição Poetica, Manoel CORREA, Os Lvsiadas do Grande Lvis de Camoens. Principe da Poesia Heroica, Lisboa, Por Pedro Craesbeeck, 1613, [fls. IIv-V].
  • Pacheco, Milton (2022) Evocações camonianas: o IV Centenário da Estada de Luís Vaz de Camões na Ilha de Moçambique (1569-1969): Parte II, Boletim da Biblioteca da Universidade de Coimbra, n.º 52 (2022), 201-273.
  • Pacheco, Milton (2021) Evocações camonianas: o IV Centenário da Estada de Luís Vaz de Camões na Ilha de Moçambique (1569-1969): Parte I, Boletim da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, n.º 51 (2021), 157-192.
  • Pacheco, Milton (2019) Apresentação sobre "Camões na Ilha de Moçambique: marcos históricos e marcas artísticas", no Colóquio "Camões e a Lusofonia", org. CIEC, na Universidade de Coimbra, 13.03.2019.
  • Ribeiro, Eduardo (2012). Camões no Oriente e outros textos. Lisboa: Labirinto das Letras. / 2.ª ed., Lisboa, 2018.
  • Rodrigues, V. (c.1577) Primeiro Roteiro da Carreira da Índia. In Costa, A. F. (1940) Roteiros portugueses inéditos da Carreira da Índia do século XVI. Lisboa: Agência Geral das Colónias, 87-116.
  • SAÚTE, Nelson; António Sopa, comp. (1992) A ilha de Moçambique na voz dos poetas. Lisboa: Edições 70.