Mostrar mensagens com a etiqueta Auto do Labirinto. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Auto do Labirinto. Mostrar todas as mensagens

2018/10/20

A dança no "Auto do Labirinto ou Labirinto do Amor"




AUTO DO LABIRINTO (OU LABIRINTO DO AMOR)


XX ENCONTRO DE MÚSICA ANTIGA DE LOULÉ ‘FRANCISCO ROSADO’ 

20 OUT. 2018 | 21h30

 Igreja Matriz de Loulé 

Com duração de 70 minutos


Coprodução:






DEDICATÓRIA

"Este projeto nasceu de um reiterado incentivo do nosso saudoso colega e amigo – Francisco Rosado – para produzirmos um espetáculo que juntasse teatro, música e dança renascentista. 
Criar as condições para um tal empreendimento não era (e continua a não ser) tarefa fácil, pelo que infelizmente não conseguimos levá-lo a bom porto em vida do Francisco, desaparecido precocemente. 
Foi inspirados por ele, e pela sua enorme dedicação à divulgação da música antiga no Algarve, que criámos o Auto do Labirinto. Certamente sentiremos a sua presença discreta no dia da estreia, a ele dedicada."








SINOPSE

"Com base num extraordinário repertório dramático quinhentista, 
os personagens – eleitos entre os pares amorosos, 
o sedutor, a alcoviteira e outros que medram no Paço ou no terreiro – 
terão os seus serões de corte povoados por danças baixas e altas 
– pavana, galharda, tordião… – revelando os seus dotes coreográficos e musicais.
Não faltam os instrumentos de corte e de folia, 
indispensáveis para a dança ou para a serenata ao luar."

ESTRUTURA:

I Casamento vs. convento
II Amores desejados… amores frustrados…
III Devaneios oníricos
IV Recebimento & louvores a Vénus








FICHA ARTÍSTICA:

Interpretação cénica, vocal e coreográfica:

Catarina Costa e Silva (soprano)
Daniela Leite Castro (contralto)
Thiago Vaz Cruvinel (tenor)
Tomé Azevedo (barítono)

Instrumentistas:

Diana Pinto (flauta renascentista)
Maria Correia (guitarra barroca)
Manuel Branco (alaúde renascentista)
Claudia Fischer (viola da gamba)
Isabel Monteiro (flauta e percussão)
Direção cénico-coreográfica
Catarina Costa e Silva


Texto e direção musical:

Isabel Monteiro


Figurinos:

Thiago Vaz Cruvinel



PEÇAS MUSICAIS:

[por ordem de execução]

Pues que ya nunca nos veis, J. del Encina
Aquele cavaleiro, Anónimo, Canc. Elvas [música]
Tourdion, P. Attaingnant
Volte, M. Praetorius
Senhora, bem poderey, Anónimo, Canc. Elvas
Folia/ La cara cosa, Anónimo
Je sens sur mon ame plouvoir, G. Costeley
Il estoit une fillette, C. Janequin
Ronde ‘Il estoit une fillette’, T. Susato
De vos e de mim naceo, Anónimo, C. Elvas
Pois amor é um labirinto, J. del Encina (música)
Baste ya, sus no cantemos, B. de Cárceres, ‘La trulla’
Pavane, P. Attaingnant
Gaillarde, P. Attaingnant


CRIAÇÃO BASEADA NAS SEGUINTES OBRAS:

[por ordem alfabética]

Auto da Ciosa, António Prestes
Auto da Natural Invenção, António Ribeiro Chiado
Auto das Capelas, anónimo
Auto de D. André, anónimo
Auto dos Escrivães do Pelourinho, anónimo
Cena Policiana, Anrique Lopes
Conselhos pera bem casar (Trovas), Baltasar Dias
Eufrosina, Jorge Ferreira de Vasconcelos
Farsa penada, anónimo
Filodemo, Luis de Camões
João Barbato a Violante de Meira (Trovas), Cancioneiro Geral
Malícia das Mulheres (Trovas), Baltasar Dias
Quem tem farelos?, Gil Vicente








para saber +

Auto do Labirinto, in Portingaloise

Auto do Labirinto, no Linkedin

Auto do Labirinto (teaser), in Portingaloise, canal do Youtube

Auto do Labirinto (rehearsal teaser), in Portingaloise, canal do Youtube









La Portingaloise

"O primeiro registo escrito de
dança com identidade portuguesa conhecido
é uma melodia de bassedanse designada La Portingaloise
presente no famoso Manuscrito de Basses Danses
da Biblioteca Real de Bruxelas (Ms. 9085),
documento de uso pessoal
da Rainha Margarida de Áustria no séc. XV."