Mostrar mensagens com a etiqueta 1923. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta 1923. Mostrar todas as mensagens

2023/10/15

A romagem anual à Gruta de Camões, em Macau



Romagem camoniana em 10 de junho de 2023

A romagem anual à Gruta de Camões

Desde 1923, terá tido início a romagem cívica e cultural anual à Gruta de Camões, mobilizando as escolas e os representantes da comunidade portuguesa e chinesa. Foi instituída pelo governador Rodrigo José Rodrigues (1879-1963), mobilizando as escolas e os representantes das comunidades portuguesa e chinesa.


"A tradicional romagem à Gruta de Camões é uma interessante característica da vida cultural, educacional e social de Macau, instituída pelo governador Rodrigo José Rodrigues em 1923.

O Padre Manuel Teixeira refere que a 
“iniciativa partiu dum patriota exaltado e fervoroso cultor de Camões, o Governador Rodrigo José Rodrigues, que logo no primeiro ano da sua chegada a Macau convidou as escolas e as forças armadas para irem à gruta homenagear o épico. E, caso único na história destas romarias, foi ele que enalteceu o vulto imortal do poeta e a sua emoção foi tão profunda que desatou a chorar, tendo de interromper o discurso”. [Fonte: xx]

[...] Desde então a romagem à Gruta de Camões ficou institucionalizada ao mesmo tempo que se legitimou a presença histórica de Luís de Camões em Macau. Camões esteve em Macau, sem dúvida, e o recente livro de Eduardo Ribeiro vem reforçar essa tese, aduzindo uma argumentação tão inteligente quanto historicamente segura. Gostaria de evocar a romagem à Gruta de Camões realizada no ano de 1937.

O governador Artur Tamagnini Barbosa cometeu a António Maria da Silva, Chefe da Repartição Técnica do Expediente Sínico, a tarefa de proferir uma conferência sobre a vida e a obra de Luís de Camões, no dia 10 de Junho de 1937, no cenário bucólico da Gruta, perante a mocidade escolar, o professorado, os convidados e as autoridades da Província.

António Maria da Silva evoca a constelação de valores do seu tempo: 
“Graças a Deus, Portugal vai regressando ao seu antigo apogeu, desde que passou novamente a tomar como lema da sua nacionalidade a Fé e o Patriotismo, a Religião e a Pátria. Devemos incontestavelmente este nosso regresso à Fé e ao Amor de Deus ao facto de sermos guiados por esse homem extraordinário que se chama António de Oliveira Salazar, português de raça e católico de alma e coração. Camões nunca separou a sua Pátria do seu Deus; Camões nunca imaginou que Portugal pudesse ser grande, sem o auxílio do Alto”. [Fonte: xx] 
António Maria da Silva será, bastantes anos volvidos, deputado na V legislatura da Assembleia Nacional, em Lisboa. Essa interessante conferência é publicada nas línguas portuguesa e chinesa, em 1937, com o insólito título de Sumário dos Luziadas. A versão chinesa foi revista por Chu-Pui-Chi, letrado da Repartição Técnica do Expediente Sínico*.

António Aresta, in Jornal Tribuna de Macau, n.º 3771, 9.6.2011
(excertos do artigo)




Sumário dos Luziadas: 
ampliação do discurso proferido no dia 10 de junho de 1937, 
no jardim da gruta de Camões em Macau.
por António Maria da Silva 
[então “Chefe da Repartição Técnica do Expediente Sínico”]. 
– Edição bilingue, em chinês e em português, 
Macau: Imprensa Nacional. – 68 p. 










Rodrigo José Rodrigues (28.03.1879 - 18.01.1963)
Foi um médico militar e político português.

Foi capitão-médico do Exército do Ultramar, com comissões em Cabo Verde (1903) e na Índia (1904-1910); reitor do Liceu de Goa; ministro do interior (1913-1914); governador civil dos distritos de Aveiro e do Porto; deputado (1913; 1918-1922), vogal do Conselho Colonial; governador de Macau (1922-1924) e adido da legação de Portugal na Sociedade das Nações (1924-1927).





  1. Coroas de flores das entidades que coorganizaram a romagem camoniana, em 10 JUN 2023 (fotografia na página do IIM no Facebook).
  2. Jovens da Escola Portuguesa de Macau e outros visitantes na gruta de Camões, 10 JUN 2023 (fotografia na página do IIM no Facebook).
  3. Grupo em romagem, em 1925 (fotografia in Macau antigo, de João Botas).
  4. Turistas chineses na gruta de Camões, nas década de 1910/20 (fotografia in Macau antigo, de João Botas).
  5. Turistas ocidentais na gruta de Camões nas década de 1930/40 (fotografia in Macau antigo, de João Botas).